Basilica de San Lorenzo + Capela Medicea + Biblioteca Laurenziana

Basilica de San Lorenzo + Capela Medicea + Biblioteca Laurenziana
A origem e a história da Basilica.
 
A origem da Igreja coincide com a origem do cristianismo em Florença. Inicialmente existia uma pequena Igreja (a qual não existe mais nenhum vestígio) que foi construída graças as doações de uma gentil Senhora de origem judaica. A pequena igreja de San Lorenzo juntamente com a Igreja de Santa Felicità, ambas construídas fora dos muros da cidade, foram as primeiras igrejas católicas construídas na cidade de Florença.
 
Dedicada a São Lorenzo, santo que foi cruelmente assassinado, queimado sobre brasas ardentes, como se fosse um verdadeiro churrasco, no dia 10 de agosto de 258 durante as perseguições do imperador Valeriano. A pequena igreja foi consagrada pelo Bispo de Milão Ambrogio no ano de 393 quando Florença era ainda chamada de Florentia e os seus habitantes falavam a língua latina e somente uma pequena parte da população era católica.
 
No ano de 1059 a igreja foi completamente reestruturada e consagrada pela segunda vez pelo Bispo Gherardo di Bologna, o futuro Papa Niccolò II. Desta segunda São Lorenzo, podemos ter uma idéia muito clara observando o “Codici Rustici” que è um precioso documento escrito por Marco di Bartolomeo Rustici no ano de 1425 e que nos mostra como era o centro antico de Florença.
 
A Basília de San Lorenzo era a Igreja preferida da Familia Medici, os Senhores de Florença que governaram a cidade por mais de 3 séculos.
 
No interior da Basíca encontramos diversas obras de artes de Donatello, Verrocchio, Bronzino, Rosso Fiorentino, entre outros, além da arquitetura de Brunelleschi, considerado o pai da arquitetura renascentista.
 
A Basílica de San Lorenzo, juntamente com a Capela Medicea é o "Panteão" dos Medici - ao seu interno encontraremos as tumbas de quase todos os membros da famosa familia fiorentina.
 
As Capelas Mediceas:
 
As Capelas Mediceas,em  origem fazia parte do complexo da Basílica de São Lorenzo, ou seja o acesso à Capela Medici era feito através da Basílica. Em 1913, devido ao grande número de visitas, foi construída uma entrada independente, e é claro, com o pagamento de bilhete diverso, já que a Basílica é propriedade da Igreja e a Capela, um museu estatal.
 
A primeira coisa que devemos saber é que entraremos em um memorial destinado a hospedar os restos mortais da família que reinou em Florença por mais de três séculos.
 
As Capelas Mediceas são constituídas da Capela dos Príncipes, a Sacristia Nova e a Cripta.
 
A Capela dos Príncipes, segundo alguns historiadores foi idealizada pelo Granduque Cosimo I, mas com certeza as obras só começaram com Ferdinando I, filho de Cosimo I, entre os anos de 1605 e 1640 e o arquiteto responsável foi Matteo Nigetti que se inspirou no progeto realizado por Giovanni de'Medici, filho ilegitimo di Cosimo I.
 
A visita se inicia entrando na espaçosa cripta que foi construída em 1508 de acordo com o projeto do arquiteto Buontalenti. É nessa grande cripta que se encontra os restos mortais de muitos membros da família Medici e da família Lorena, que com a extinção da família Medici, foram os sucessores ao trono da Toscana.
 
Através de uma escada a direita, se acessa a famosa Cappella dei Principi que é um ambiente grande, ricamente decorado pelo Opificio delle Pietra dure e que hospeda os monumentos daqueles que foram os Príncipes de Florença, ou seja, os "Granduchi di Toscana".
 
A Sacristia Nova, assim chamada para diferenciá-la da Sacristia Vecchia (Velha) feita pelo arquiteto Brunelleschi (o mesmo que contruíu a famosa cupola da catedral de Florença), foi desenhada e projetada por Michelangelo Buonarrotti. Foi o Cardinal Giulio de'Medici (futuro Papa Clemente VII) e o seu primo Papa Leão X (Giovanni de'Medici, filho de Lorenzo O Magnífico), quem ordenou a construção da Sacristia Nuova a Michelangelo, que ali trabalhou por 14 anos (1521-1534), como arquiteto e como escultor.