Museu Ferragamo: Il ritorno in Italia

14.11.2017

Salvatore Ferragamo: 1927 - O retorno à Itália. Um inteiro palácio na elegante Via Tornabuoni em Florença, hospeda a boutique e o Museu Ferragamo, com os protótipos dos calçados feitos pelo célebre sapateiro das atrizes, divas e porque não, das mulheres normais amantes do estilo de Ferragamo.

Em 1915, com apenas 17 anos, Salvatore Ferragamo deixou sua cidade natal em Irpinia, Bonito, para ir para a América aperfeiçoar a arte do calçado, embarcando em terceira classe de um navio chamado "Stampalia". Nos Estados Unidos ele trabalhou, estudou a anatomia do pé, experimentou métodos inovadores de medidas e tempos depois abriu sua loja ganhando fama internacional. 

Mas um dia ele resolveu voltar a sua pátria. Doze anos depois, em 1927, ele retornou para a Itália no transatlântico "Roma": desta vez na primeira classe, com 250.000 mil dólares no bolso e acompanhado do famoso apelido "sapateiro das estrelas" que ganhara em Hollywood.

O Museu Ferragamo organiza regularmente exposições e é próprio a viagem de retorno que é o fio condutor da exposição "1927- Il ritorno in Italia", inaugurada no dia 19 de maio (até 2 de maio de 2018) no Museu Salvatore Ferragamo em Florença para celebrar 90 anos do acontecimento. 

A exposição tem o objetivo de analizar os diversos componentes da cultura dos anos 20 na Itália, os temas e as obras que influenciaram de forma direta ou indireta a "oficina poética" de Salvatore Ferragamo.

De volta a Italia, Salvatore decidiu fundar em  Florença  uma fábrica de calçados "Made in Italy" para exportar para os EUA. Salvatore escolheu Florença, principalmente porque se sentiu atraído pela tradição do artesanto, da arte decorativa e da modernidade florentina. 

A mostra concebida pela diretora do Museu Ferragamo Stefania Ricci, com curadoria de Carlo Sisi revive Florença, e a Itália da década dos anos 20.  O cenário (um luxo!) assinado por Maurizio Balò reproduz com maestria o ambiente do interior de um navio, com as escada de acesso e a piscina.

O percurso espositivo é dividido em oito ambientes que recordam o interior do navio, onde você poderá admirar as obras de Maccari, Martini, Thayaht, Gio Ponti, Rosai, Balla e Depero, bem como várias peças de Richard-Ginori cujos pratos contam a magnificência de um navio de luxo.

Seis modelos de sapatos Ferragamo da década de 1920 foram produzidos em edição limitada e estão à venda em algumas lojas ao redor do mundo.